20 setembro 2016

Casa Vila Matilde: um lar projetado na ponta do lápis

Residência construída para diarista na Vila Matilde, em São Paulo, venceu o prêmio internacional ‘Archdaily Building of the Year’ e integra a mostra brasileira na Bienal de Veneza de 2016. O projeto preciso e justo conseguiu atender à moradora e reduzir os custos de construção.

Um feliz encontro entre jovens arquitetos e uma família de baixa renda que precisava reconstruir sua casa deu origem a um case de sucesso para a arquitetura brasileira. Em setembro de 2015, a casa de Dona Dalva, uma diarista residente na Vila Matilde, zona leste de São Paulo, começava a dar sinais de ruína. Em situação emergencial, um de seus filhos procurou o escritório de arquitetura Terra e Tuma, inicialmente com objetivo de reformar a antiga casa.

Logo após a visita ao local, os arquitetos Danilo Terra, Pedro Tuma e Fernanda Sakano  concluíram que seria mais seguro e econômico demolir a construção antiga e erigir uma nova moradia. “O maior desafio foi a fase inicial da obra: quatro meses demolindo cuidadosamente a casa antiga, ao mesmo tempo em que se executavam as fundações e arrimos para escorar as casas vizinhas, apoiadas em seus muros de divisa. Seis meses depois de iniciadas as alvenarias a casa estava concluída”, explica o texto de apresentação dos próprios arquitetos.

0188-terraetuma-casavilamatilde-pkok1778

A casa anterior estava implantada em um lote com testada de 4,8 metros e 25 metros de profundidade. Para atender à demanda e em função da idade avançada da moradora, os arquitetos optaram por uma planta quase térrea, com apenas um aposento no nível superior.

Projeto

São 95 m2 construídos, incluindo sala, lavabo, cozinha, área de serviço e uma suíte, tudo muito despojado, com as texturas do concreto e instalações aparentes. O “pulo do gato” do projeto, porém, é o pátio-jardim interno, que liga a sala aos quartos e propicia a ventilação e iluminação que faltavam na casa anterior. Lavabo, cozinha e lavanderia também foram estrategicamente alocadas no volume longitudinal, ao longo desse pátio de luz e ar. A área de cobertura da sala foi aproveitada como espaço para horta e, no futuro, poderá ser coberta, caso necessário.

Em novembro de 2015, com a casa pronta e Dona Dalva de volta, o projeto foi escolhido pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU/BR) como um exemplo feliz do que a arquitetura pode fazer para melhorar os ambientes urbanos. “Escolhemos a casa de Dona Dalva para marcar o Dia do Arquiteto (15 de dezembro) porque foi construída para uma cliente de baixa renda, em um terreno difícil, com um orçamento muito limitado, porém com um projeto de alta qualidade e com um resultado surpreendente”, lembra Gilberto Belleza, presidente do CAU/SP.

Logo depois, em fevereiro de 2016, a premiação ArchDaily Building of the Year 2016 elegeu a Casa de Vila Matilde entre milhares de projetos de casas em várias partes do mundo. O prêmio é baseado na votação do público, cerca de 55 mil eleitores, a maioria arquitetos e estudantes da área.

Fotos: Pedro Kok

Ficha técnica
Obra: Casa Vila Matilde (São Paulo – SP).
Arquitetura: Terra e Tuma Arquitetos (Autores: Danilo Terra, Pedro Tuma e Fernanda Sakano – Colaboradores: Bruna Hashimoto, Giulia Sofia Galante, Jéssica Zanini, Lucas Miilher e Zeno Muica).
Paisagismo: Gabriella Ornaghi Arquitetura da Paisagem.
Estrutura: Megalos Engenharia.
Construção: Valdionor Andrade de Carvalho e equipe.
Ano do projeto: 2015.
Construção: 2015/2016.
Área do terreno: 120 m².
Área construída: 95 m².
Custo total (projeto e obra): R$ 150 mil.