15 setembro 2016

ETS de Barueri: mais qualidade de vida para São Paulo e região

Responsável pelo tratamento de aproximadamente 60% do esgoto sanitário doméstico e industrial coletado pela Sabesp na RMSP, a Estação de Tratamento de Esgotos de Barueri é a maior instalação do tipo na América Latina.

Responsável pelo tratamento de aproximadamente 60% do esgoto sanitário doméstico e industrial coletado pela Sabesp na RMSP, a Estação de Tratamento de Esgotos de Barueri é a maior instalação do tipo na América Latina. A área de cobertura do sistema é de cerca de 1.000 km², incluindo grande parte da cidade de São Paulo e os municípios de Jandira, Itapevi, Barueri, Carapicuíba, Osasco, Taboão da Serra, partes de Cotia e Embu. Nos últimos dez anos, para poder se adequar ao aumento crescente da demanda pelo serviço, a ETE Barueri vem recebendo melhorias.

No momento, há obras em andamento e outras contratadas, previstas para começar este ano. A JNS Engenharia, Consultoria e Gerenciamento, responsável pelos estudos e projetos de ampliação da estação, participa nos trabalhos da ETE desde os primeiros anos de operação do sistema. Hoje, o sistema tem capacidade para tratar a vazão média de 9,5 m3 /s de esgotos. Com a próxima ampliação, saltará para 16,0 m³/s, o equivalente a 1,38 milhões de metros cúbicos por dia.

Os principais trabalhos tecnológicos realizados pela JNS são: reabilitação e modernização dos sistemas de aeração; implantação da tecnologia de Digestão Anaeróbia Termofílica (para disposição final de lodo); sistemas de adensamento e desaguamento de lodo com utilização de centrífugas de alto desempenho; e modernização do sistema de automação e instrumentação (com a reestruturação da arquitetura de controle e integração das unidades de operação).

A ETE Barueri entrou em operação em 1988, época em que a capacidade de tratamento correspondia à vazão média de 7 m³/s. A primeira ampliação, na década seguinte, foi feita graças à construção de unidades de decantação secundária. De 2002 a 2005, foram feitos os estudos e projetos de melhoria e ampliação das instalações para recebimento dos atuais 12,5 m³/s. Foram construídas unidades do tratamento preliminar e do lodo, com a implantação de sistemas de adensamento e desidratação mecânicos dos lodos compostos por nove centrífugas de grande capacidade. Também de 2009 a 2011 foram elaborados, sempre pela JNS, projetos para sucessivas ampliações da planta. As obras ora em processo de contratação, que tratarão 1,38 milhões de m³ de esgoto por dia, vão atender o equivalente à contribuição de uma população de 5,9 milhões de habitantes.