26 setembro 2017

Sesc 24 de maio: a nova ‘praça’ da cidade de São Paulo

Projeto desafia as limitações do terreno para criar um espaço de convivência e circulação no centro da capital paulista.

Uma ampla “praça”, aberta para a rua, marca o acesso do Sesc 24 de Maio, a mais nova unidade do Serviço Social do Comércio em São Paulo. Projetada pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha, com a colaboração do MMBB Arquitetos, a instalação ocupa a área da antiga loja Mesbla, na esquina das ruas Dom José Gaspar e 24 de Maio, no Centro da capital paulistana.

Simbolicamente, a área aberta para a via pública lembra as várias galerias existentes nas vizinhanças, ruas internas, repletas de estabelecimentos comerciais, de lojas de discos a equipamentos fotográficos, de cabeleireiros a oficinas de cutelaria, tal como a “Galeria do Rock” (Grandes Galerias) ou a Galeria Califórnia, esta projetada por Oscar Niemeyer e Carlos Lemos nos anos 1950.

Da praça de entrada o visitante é convidado a circular pelas rampas de acesso que percorrem os 11 pavimentos do edifício, como uma rua de suave aclive, que passar pela biblioteca, áreas esportivas, exposições e oficinas, até alcançar o topo, onde se encontra a piscina, aberta para a cidade e para a vista do centro. É um passeio, uma primeira abordagem ao novo edifício, que dispõe também de espaços para comedoria, cafeteria,área de convivência, clínica odontológica, área de tecnologia e arte, solário e instalações de apoio

Em linhas gerais, na descrição da arquiteta Marta Moreira, coordenadora do projeto pelo MMBB Arquitetos, a edificação aproveitou parcialmente a estrutura da antiga construção, mas implantou uma nova, para sustentar a piscina no topo, abrigar o teatro no subsolo e permitir a alocação do canteiro de obras, que deveria ficar dentro do próprio lote. Nesse vão central instalou-se a grua que facilitou a movimentação de materiais ao longo dos quinze anos de obras. O teatro, no subsolo, exigiu a escavação e a construção de uma parede de contenção armada, realizada com concreto jateado.

Os vestígios do prédio antigo foram claramente marcados pela proposta de arquitetura: são brancas todas as colunas e vigas que já existiam, enquanto a nova estrutura ostenta a cor natural do concreto.

Vazio central
Em depoimento gravado pelo Sesc, Paulo Mendes da Rocha explica que o prédio da Mesbla contava com um vazio central quadrado, com 14 metros de lado, dentro do qual foi possível alojar a estrutura de suporte da piscina, no alto, e as instalações do teatro, no subsolo. Lembra, também, que em sua primeira visita ao local já foi possível identificar uma pequena e estreita edificação localizada ao lado do antigo prédio, que poderia abrigar o programa de apoio a funcionários e parte das instalações do novo projeto. A sugestão foi acatada e após a compra, o terreno foi ocupado com um volume vertical que contém vestiários, bases para as equipes de limpeza, banheiros, sistemas de ar-condicionado e, no topo do prédio, uma pequena central de geração de energia fotovoltaica, visível na área da piscina.

Treliças e vidro
Estruturado em concreto, com algumas vigas e pilares de aço, o prédio ostenta fachadas de vidro, que durante o dia permitem uma visão privilegiada das imediações e à noite transformam o Sesc em uma lanterna transparente. Essa “pele” que reveste o prédio é sustentada por uma estrutura metálica formada por módulos treliçados, pré-fabricados com vergalhões de aço soldados. Presilhas aparafusadas permitem a fixação das lâminas de vidro e, ao mesmo tempo, a conexão entre os módulos, formando um “rendilhado” com milhares de barras metálicas das treliças fechadas pela superfície cristalina do vidro.

Inaugurado em 19 de agosto, o prédio está recebendo milhares de pessoas, todos os dias, seja para um café, uma refeição, uma leitura, visita à exposição, ou simplesmente para um passeio pelas rampas e atrações, especialmente a piscina e o café, ambos localizados no alto da estrutura. No jardim da piscina, no 11º pavimento, um espelho d’água circunda a laje do café e obriga o visitante a molhar os pés caso queira aproximar-se dos gradis de proteção. Poucos se aventuram, a exceção das crianças, que têm ali um ponto de encontro e brincadeiras para os dias secos e quentes desta primavera.

Fotos: Lauro Rocha 

Sesc 24 de Maio
Localização: Centro, São Paulo-SP
Área construída: 27.905,15m²
Arquitetura e Mobiliário: Paulo Mendes da Rocha e MMBB Arquitetos
Equipe: ernando Mello Franco; Marta Moreira; Milton Braga; Adriano Bergemann; Ana Carina Costa; Ana Carolina Mamede; Cecília Góes; Eduardo Ferroni; Giovanni Meirelles; Gleuson Pinheiro; Guilherme Pianca; Jacques Rordorf; Lucas Vieira; Márcia Terazaki; Maria João Figueiredo; Marina Acayaba; Marina Sabino; Martin Benavidez; Vito Macchione; João Yamamoto; Rafael Monteiro; Rodrigo Brancher; Thiago Rolemberg
Projetos complementares
Estrutura: Kurkdjian e Fruchtengarten Engenheiros Associados
Fundações: MAG Projesolos Engenheiros Associados
Instalações: PHE Projetos Hidráulicos e Elétricos
Ar Condicionado: JMT Projetos
Acústica: Nepomuceno Acústica e Sônica
Cenotécnica: J.C. Serroni
Sonorização: Alexandre Sresnewsky
Luminotécnica: Rosane Haron (Espaço Luz) e Altimar Cypriano
Conforto: Daltrini e Granado Arquitetura e Conforto Ambiental
Lógica: Marciano Engenharia
Supervisão Predial: SI2 - Soluções Inteligentes
Transporte Vertical: Empro Engenharia de Produção
Odontologia: Terra Arquitetura
Cozinha: Nucleora
Impermeabilização: Proassp Assessoria e Projetos
Piso de Concreto e Drenagem: LPE Engenharia e Consultoria
Esquadrias: AEC – Consultores
Engenharia do Sesc: Amilcar João Gáy Filho; Humberto Bigaton; Alberto Costa Souza Neto
Construtora: Mendes Júnior
Projeto: 2001
Conclusão da obra: 2017
galeria de imagens
Piscina no topo: vista privilegiada do centro de São Paulo. Fotos: Lauro Rocha.
Acesso, com paraciclos para usuários.
Jardim da Piscina Café e vista para a cidade.
Área de exposições.
Jardim da Piscina.
Espaço de café no Jardim da Piscina.
Vista do edifício de apoio
Piscina semi-olímpica com vista para os edifícios emblemáticos da cidade
Espaço de Esportes