Seminário BIM pauta a agenda nacional para a disseminação da modelagem da informação da construção

Com o objetivo de colaborar com o processo de disseminação da modelagem da informação da construção, o Sinaenco promoveu, em 6 de novembro, o Seminário Internacional BIM: Uma Agenda para o Brasil.

Conferencistas do Brasil, do Chile e dos Estados Unidos compartilharam suas visões sobre os desafios colocados ao país para adoção da metodologia nas obras públicas, tendo em vista o Decreto nº 9.377, de 17 de maio de 2018, que estabelece a Estratégia Nacional para a Disseminação BIM.

O evento foi prestigiado por público de cerca de 250 profissionais da área privada e pública.

Confira, a seguir, alguns dos destaques do Seminário.

galeria de imagens
Presidente do Sinaenco, Carlos Roberto S. Mingione, na abertura dos trabalhos. (Fotos: Ricardo Maiza)
Arquiteto Eduardo S. Nardelli, VP do Sinaenco/SP e coordenador de assuntos relacionados à BIM na entidade.
Dr. Calvin Kan, da Universidade de Stanford, apresentou um amplo panorama sobre a condução de políticas para o uso do BIM nos Estados Unidos e em outros países, como Singapura e China.
Talita Saito, do MDIC e do Comitê Gestor da Estratégia BIM-BR, grupo interministerial responsável por coordenar as ações do governo federal para a adoção do BIM.
O arquiteto Alberto Fernandéz trouxe a experiência do Chile. No país, o PlanBIM dá as diretrizes governamentais para uso da modelagem.
Mesa redonda sobre as experiências do uso do BIM em obras de infraestrutura. Da esquerda para direita: Patrícia Cruz e Carlos Vasconcelos (Infraero); Fernando Mentone (Sinaenco/SP); André Martins Araújo (DNIT) e Francimar Rocha (Sabesp).
Professora Regina Ruschel, da Unicamp, fez exposição sobre a formação em BIM.
Professor Sérgio Scheer (UFPR), Eduardo Nardelli e Eduardo Toledo (Poli-USP) discutiram sobre o financiamento para uso do BIM e o estado da arte da metodologia no Brasil.